Depois das mobilizações do dia 16, agora é fortalecer a luta pela recomposição salarial: confira

No último dia 16, Dia Nacional de Mobilização e Luta em Defesa do Serviço Público, várias atividades aconteceram pelo país, como forma de preparar a greve pela recomposição salarial emergencial de aproximadamente 20%.

A greve, como sempre, acontece como último recurso dos trabalhadores. Neste caso, com mais de cinco anos de congelamento salarial, as categorias do serviço público uniram-se e, aproximadamente dois meses atrás apresentaram a pauta com esta reivindicação emergencial, cuja urgência ganha contornos dramáticos em razão da disparada do custo de vida. Sem obter resposta, preparam agora as forças para uma greve unificada.

Em São Luís, pela manhã a Educação Básica esteve reunida na Praça Deodoro, atendendo ao chamado de entidades como Sindeducação (Sindicato dos Profissionais do Magistério da Rede Pública Municipal de São Luís) e COTEMACS (Coletivo dos Trabalhadores e Trabalhadoras da Educação Pública Básica no Campo Sindical). Servidores do Judiciário Federal e do Ministério Público indicaram “desplugar” do serviço remoto como forma de marcar a data.

À tarde, por motivo de força maior, o ato previsto pela Apruma acabou suspenso, mas, no início da noite, centrais sindicais e diversas entidades do serviço público – entre elas nossa Seção Sindical – estiveram reunidas para avaliar a situação e preparar os próximos passos – confira a síntese dessa reunião plenária:

* A avaliação inicial das entidades é que vamos encontrar muita dificuldade para fazer a greve devido à desmobilização pelo Estado. No caso dos docentes da UFMA, pesam neste momento, por exemplo, o trabalho remoto e as férias. Demais categorias de servidores acrescentaram ainda o fato de diversos serviços de atendimento ao público estarem funcionando em regime parcial.

Assim, por volta do dia 23, data prevista como indicativo para a greve, muitas categorias estarão realizando suas assembleias para avaliarem suas situações nessa construção:

– a da Apruma, por exemplo, acontece dia 22, às 15h, no Auditório do Colégio Universitário, no Campus do Bacanga, com transmissão para as demais unidades da UFMA no Estado. Será o primeiro evento presencial do Sindicato este ano (confira a convocação aqui);

– a do Sintrajufe (servidores do TRT, TRE, Justiça Federal e MPF), está marcada para a própria quarta-feira, dia 23, a partir das 17h30, e acontece de modo online (veja aqui).

Além das rodadas de assembleias, outro encaminhamento da Plenária foi a realização conjunta de panfletagem sobre os riscos que o serviço público está correndo. A atividade será realizada durante todo o dia 23, na Praça Deodoro, centro da capital maranhense. Também está prevista abordagem a parlamentares no aeroporto junto com as centrais sindicais (deve acontecer dia 21 às 15h). Foram ainda retiradas comissões: a de Comunicação, para escrever o panfleto a ser usado da atividade de rua e a carta aos deputados; a Comissão de Finanças e Infraestrutura, para fazer orçamento e garantir liberação da praça com instalação de tenda.

Brasília

Na capital federal, o Dia Nacional de Mobilização foi marcado por uma significativa Marcha em Defesa do Serviço Público e pela Recomposição Salarial, com boa representação dos servidores públicos, como os dos Correios, da Saúde, da Educação (Andes) e demais entidades que compõem o Fonasefe,como a Fenajufe (Federação do Judiciário Federal).

A marcha partiu do Espaço do Servidor, na Esplanada dos Ministérios, até o Ministério da Economia. Chegando lá, foi feito grande ato e tentada audiência com o ministro da pasta, mas sem sucesso apesar da pressão. Os servidores decidiram então seguir durante estes dias reivindicando que sejam recebidos por Paulo Guedes e que seja dada resposta sobre a reivindicação apresentada de revisão geral para recomposição dos salários em 19,99%.