Apruma presente no Encontro Indígena Tecendo a Resistência

Aconteceu nesta sexta-feira e no sábado, dias 18 e 19, o ENCONTRO DE POVOS INDÍGENAS XIMUNKÀN ZANEREKOHAW (Tecendo a Resistência), promovido pelo Instituto Ximukàn Zanerekohaw e pelo povo Tremembé da Terra Indígena Engenho/MA,com apoio de diversas organizações aliadas na causa indígena, como a APRUMA.

O primeiro dia de atividades aconteceu no Sindicato dos Bancários, e o dia seguinte contou com atividades no Território Tremembé do Engenho, e foram discutidos temas como a criação de um Estatuto Estadual de Povos Indígenas e sistema de proteção, luta contra a tese de marco temporal, saúde indígena e gestão do Território.

O professor Fernando Pedro, da diretoria da APRUMA, participou da programação e narra suas impressões a seguir:

18 de fevereiro de 2022, sexta-feira, tive o prazer de representar o sindicato da minha classe, APRUMA-Seção Sindical – ANDES, no “Primeiro Encontro dos Povos Indígenas”, na sede do Sindicato dos Bancários do Maranhão, em São Luís, Brasil. Foi uma experiência de muitos ensinamentos e enriquecedora, pois me permitiu sentir e compreender melhor a necessidade de manter o meu espírito de luta por uma sociedade mais equitativa. Ouvir e compartilhar experiências, vivências e relatos de quão necessário é mantermos a unidade e luta, me transportou para os ensinamentos de Amílcar Cabral, que definiu e cunhou o slogan de “Unidade e Luta” dos povos da Guiné-Bissau e Cabo-Verde.
Ganhei o meu dia, pois percebi que ao estar nos debates dos “movimentos de resistência”, seja ela econômica, política e cultural, me permite aprender mais e desenvolver as minhas observações e ideias de uma sociedade equilibrada. As escolhas que fazemos hoje, os pontos que escolhermos defender e as ações que encetarmos no presente são características que a nossa consciência exige que demonstremos enquanto estivermos oportunidade de viver. Fiz várias escolhas ao longo da vida, a de lutar constantemente por uma causa humana é a que me torna mais humano e me faz ficar em paz comigo mesmo.
A luta continua!