Centrais sindicais reforçam campanha pela vida com apelo à doação de sangue e pelo Fora Bolsonaro

Teve início nesta sexta-feira, 7 de agosto, em todo o país, mais uma etapa da Campanha pela Vida e pelo Fora Bolsonaro e Mourão, bandeiras que unem as diversas centrais de trabalhadores no Brasil ante as milhares de mortes pela Covid19 e a falta de combate do governo à pandemia.

A CSP-Conlutas, que faz parte desse chamado, reafirma a reivindicação por uma quarentena geral de trinta dias, defesa do emprego e da renda dos trabalhadores, investimentos efetivos no Sistema Único de Saúde (SUS), entre outros importantes da pauta de enfrentamento das crises política, sanitária e econômica como a imediata suspensão do pagamento da dívida pública.

Dia de Luto e Luta

Este 7 de agosto ficou marcado como mais um Dia Nacional de Lutas, convocado conjuntamente pela CSP-Conlutas e seus sindicatos filiados, além da CUT, CTB, CSB, Força Sindical, CGTB, Intersindical, NCST, UGT e Pública.

Na quinta-feira, 6 de agosto, o Brasil atingiu a triste marca de 8.644 mortes com 1.226 novos óbitos em 24 horas. Até o sábado, o número deve ultrapassar cem mil óbitos.

Em meio a tudo isso, e a falta de comando no enfrentamento da pandemia, Bolsonaro segue desdenhando das vítimas: sua última declaração nesse sentido, ante as cem mil mortes anunciadas, foi: “vamos tocar a vida“.

Diante desse quadro, fica explícita a urgência da luta pelo afastamento do presidente e do vice, bem como dos ministros que seguem sua política de morte, seja no campo econômico, com Paulo Guedes, seja no campo socioambiental, com Salles, ou os demais defensores de uma pauta altamente nociva para qualquer projeto de Nação.

#EuDefendoAVida #EuDooSangue #ForaBolsonaro

No Maranhão, a Campanha pela Vida retomada nesta sexta-feira seguirá até 7 de setembro, conclamando os trabalhadores a doarem sangue, insumo de extrema necessidade nestes tempos.

Para aderir, basta dirigir-se a Hemomar, em São Luís (Rua Cinco de Janeiro, s/n, bairro da Jordoa, telefone 98 3216 11 00) e fazer a doação.

Para registrar sua participação, pegue um dos adesivos da campanha das centrais, parecidos com as ilustrações desta matéria, e publique em suas redes sociais com as # citadas acima. Os adesivos estão disponíveis no Hemomar (Hemocentro do Maranhão).

Além disso, todas as ilustrações abaixo estão disponíveis também para serem compartilhadas em redes: esse é um campo de disputa fundamental para se demonstrar a indignação contra esse governo de morte e fortalecer o brado urgente pela sua queda: participe!

Como os trabalhadores vêm sendo atingidos: veja a situação em algumas categorias

Saúde: cerca de 200 mil trabalhadores da saúde infectados, 800 mil afastados por suspeita de Covid-19. Destes, quase 150 infelizmente morreram. Medo, insegurança, estresse passou a ser a rotina. Não há equipamentos, medicamentos, condições mínimas de trabalho.

Petroleiros: estima-se mais de 3 mil infectados e outros mais de 1 mil suspeitos somente entre os petroleiros efetivos (a Petrobras não informa os terceirizados). Os sindicatos já confirmaram pelo menos 15 óbitos entre petroleiros efetivos. Seguindo a política de Bolsonaro, a direção da Petrobras omite os casos e mortes e não garante as condições adequadas de segurança. Isso em meio aos ataques de privatização da empresa, que vem sendo fatiada e vendida e destruída dia após dia.

Bancários: agências superlotadas dão uma demonstração dos riscos que trabalhadores do setor se expõem diariamente. O Sindicato dos Bancários do Maranhão denuncia regularmente o descumprimento de protocolos básicos de segurança, expondo os funcionários e os clientes à contaminação.

(Fonte: CSP Conlutas).

Na Educação, devemos seguir firmes contra as atividades presenciais que expõem estudantes, técnicos, docentes e terceirizados

Reafirmamos a luta por:

Equipamentos de Proteção para os trabalhadores contra a Covid19, condições de trabalho dignas, testes massivos para os trabalhadores, garantia de salários, pagamento de insalubridade, nenhum direito a menos.