Mobilização dos docentes assegura participação de egressos em concurso em Imperatriz; professores avaliam que Universidade precisa definir questão

Aconteceu, na última quinta-feira dia 19, Sessão na Câmara de Imperatriz para avaliar solicitações de inclusão de egressos do curso de Licenciatura em Ciências Humanas (LCH) entre os habilitados a concorrer nas vagas abertas por edital para o Magistério Fundamental no município.

A Apruma, que cumpria agenda na região Sul do Maranhão, para tratar da mobilização docente ante ameaças como o programa Future-se e o cortes de verbas, e também seguir na política de contato mais próximo à base, acompanhou o esforço da coordenação da LCH em Imperatriz para que os ex-estudantes da UFMA pudessem participar do certame.

O professor Alexandre Peixoto, coordenador do curso, explica a intervenção feita:

“O curso de Licenciatura em Ciências Humanas, por sua interdisciplinaridade, permite, no caso da LCH em Imperatriz, cuja habilitação é em Sociologia, que o nosso habilitado lecione disciplinas na área de Humanas, estando apto a ministrar aulas de História e Geografia para o Ensino Fundamental, e de Sociologia para o Ensino Médio. No caso do concurso que fora aberto pela Prefeitura de Imperatriz, o curso da UFMA não foi considerado como habilitado para as disciplinas do Fundamental, levando-nos a solicitar uma emenda à lei que rege o Edital para que os egressos da LCH pudessem concorrer”. Com a solicitação feita, uma emenda chegou a ser apresentada contemplando esse pleito. Além desta questão, também resolveu-se pleito dos intérpretes de Libras, prevendo agora vagas para tradutores (a Prefeitura pretendia terceirizar o serviço).

Menção no Diploma resolveria a questão

O que acontece é que os diplomas recebidos pelos egressos não expressam claramente a habilitação para lecionar essas disciplinas do Ensino Fundamental, o que está disposto nas resoluções do Consun/UFMA que regem o curso, como a 131/2010, que criou a LCH, e sua posterior, a 169/2013.

Segundo o coordenador, uma simples menção a esse fato no verso do Diploma resolveria a questão. Para isso, já foi acionada a Pró-reitoria de Ensino (PROEN) que, por sua vez, segundo informa a coordenação do curso, alegou que não podia especificar essa questão no documento em razão de dificuldades colocadas pelo Núcleo de Tecnologia da Informação (NTI). A Coordenação também procurou o NTI, que disse que, em havendo solicitação para essa alteração por parte da PROEN, ela seria procedida sem mais obstáculos, informa o professor Alexandre, que espera que a Pró-reitoria resolva em definitivo: “Aqui em Imperatriz ainda pudemos procurar um vereador que apresentou a emenda, mas não dá para fazer isso, por exemplo, para quem vá concorrer em concursos em outras cidades do país, não dá para ir lá e explicar, isso tem que vir expresso no Diploma”, cobra.

A Apruma acompanhou a Sessão na Câmara de Vereadores de Imperatriz, através de sua presidente, professora Sirliane Paiva, e de sua diretora de Interiorização, professora Célia Soares Martins, colocando a Seção Sindical à disposição para contribuir também nessa questão. O professor Wescley Fernandes, do Campus Pinheiro, que acompanhava as diretoras da Apruma na cidade, também esteve presente, demonstrando a solidariedade entre os docentes. Com a inclusão da emenda contemplando os formados pela UFMA em Imperatriz, os professores celebraram essa conquista, e seguirão cobrando que a Pró-reitoria de Ensino resolva de vez a questão.