Segunda-feira de Luta da Educação: protestos contra cortes, perseguições e destruição da área acontecem pelo país

A greve nacional da Educação, em prenúncio à greve geral de 14 de junho, está prevista para o próximo dia 15, mas a estudantada, os docentes, técnicos e militantes do setor já estão em luta desde o anúncio dos cortes de verbas para a Educação Pública anunciados semana passada, atingindo educação básica, superior, institutos federais, hospitais universitários e outras unidades em cerca de um terço de seus já precários orçamentos, o que pode estrangular completamente a área.

Nesta segunda-feira, Bolsonaro esteve presente à cerimônia de 130 anos do Colégio Militar do Rio de Janeiro. A militarização das escolas públicas é uma das pautas desse governo, ao tempo que fragiliza a laicidade, persegue o pensamento crítico e corta verbas. A recepção não saiu como previra: milhares de estudantes se reuniram próximo ao Colégio, protestando contra os cortes da Educação Pública.

O movimento foi puxado pelos estudantes do Colégio Pedro II, da Rede Federal EBTT no Rio de Janeiro, que protestaram contra os ataques à área. Relatos dão conta de que, de dentro do Colégio Militar, os estudantes demonstravam apoio ao movimento. Rapidamente, a frase “NÃO VAI TER CORTE” tornou-se um dos assuntos mais comentados no Twitter.

Mobilizações aconteceram nesta segunda em todo o país

Além dos estudantes do Pedro II, alunos de diversas universidades e institutos federais protestaram contra os ataques à Educação Pública neste 6 de maio.

Em diversos institutos federais, os estudantes compareceram vestidos de preto para marcar posição contra os cortes orçamentários, numa ação que foi difundida pelas redes no final de semana.

No Maranhão, foram registradas mobilizações nos campi do IFMA nas cidades de São Raimundo das Mangabeiras, São José de Ribamar, Porto Franco, São Luís (Campus Centro Histórico), Imperatriz (veja nas imagens).

Na quarta-feira, 8, às 17h, acontece Assembleia Geral da Apruma que, entre outros temas, tratará dos preparativos para a mobilização do dia 15 (Greve Nacional da Educação). Dada a urgência do momento, a presença de todos e de todas é de fundamental importância. Não vai ter corte!

Estudantes se organizaram pelas redes sociais durante o final de semana e compareceram vestidos de preto para protestar contra os cortes na Educação pública em todo o país
Estudantes do IFMA protestam no Campus da cidade de São Raimundo das Mangabeiras

]

Houve protestos em defesa da Educação Pública também na cidade de Porto Franco

Campus São José de Ribamar

IFMA Campus Centro Histórico
IFMA Imperatriz