Veja como foi o Dia de Luta contra Reforma da Previdência

No Dia Nacional de Luta em Defesa da Previdência, última sexta-feira, 22, diversas atividades deram mostras da crescente mobilização social de resistência à contrarreforma.

Em São Luís, as atividade começaram logo cedo, com os docentes, mulheres em sua maioria, à entrada do Campus do Bacanga (UFMA) convidando a comunidade universitária a participar do debate que ocorreria no final da tarde, “A Contrarreforma da Previdência como Obstáculo à Aposentadoria”, com a professora Sara Granemman e o advogado Guilherme Zagallo.

Ato em São Luís

Ainda pela manhã, após a ação no Campus, os professores e professoras se juntaram às centenas de pessoas de diversas categorias que se concentraram em frente à Agência da Previdência no Parque Bom do Menino, região central da cidade, de onde seguiram até a Praça Deodoro, dizendo não à Contrarreforma.

 

 

Lideranças da zona rural da capital maranhense também participaram das atividades: trabalhadores e trabalhadoras rurais estão entre os mais ameaçados pela proposta de Bolsonaro e Guedes

 

 

Houve atos em vários estados e, no Maranhão, além da capital, foram registradas mobilizações e passeatas em quase duas dezenas de municípios.

Em Imperatriz, por exemplo, mesmo debaixo de um chuva torrencial, mais de duas mil pessoas saíram da praça de Fátima em caminhada pelas principais ruas da cidade.

Durante todo o percurso, de aproximadamente 5 km, dirigentes sindicais, militantes e lideranças políticas foram se revezando nas falas contra a reforma da previdência e denúncias contra o governo Bolsonaro. Em frente as agências bancárias do Bradesco e Santander, dirigentes do Sindicato dos Bancários e CTB fizeram pronunciamentos denunciando a dívida da previdência que esses bancos têm, além do assédio com seus trabalhadores. A passeata teve seu término em frente à sede do INSS, onde várias lideranças se pronunciaram contra a reforma.

Dia Nacional de Luta em defesa da Previdência em Imperatriz, no Maranhão
Houve ato também em cidades como Chapadinha (acima), Santa Inês, Pinheiro, Caxias, Barra do Corda, Açailândia, além de dezenas de outros municípios

 

Grande mobilizações contra a destruição da Previdência aconteceram de norte a sul do país neste dia 22 (Ato em Macapá/AP)
Em Fortaleza, houve grande manifestação no Dia Nacional de Luta
Em São Paulo, metalúrgicos da GM em São José dos Campos atrasaram a produção em protesto contra a PEC da contrarreforma; à noite, houve grande mobilização na região central da capital

Em São Luís, o Dia Nacional de Luta encerrou suas atividades onde começou, no Campus do Bacanga, com as falas de Zagallo e Granemann sendo ouvidas por cerca de trezentas pessoas que estiveram no Auditório Principal do Centro Paulo Freire para entender mais sobre a tentativa de destruição da Previdência Social e unir-se à resistência contra essa ameaça (veja AQUI).