Apruma participa do lançamento do Fórum Sindical, da Assembleia da Classe Trabalhadora e reunião da CSP Conlutas

Cumprindo extensa agenda em São Paulo, a presidente da Apruma Seção Sindical, professora Sirliane Paiva, participa, nesta terça-feira, do lançamento do Fórum Sindical, Popular e de Juventudes por direitos e liberdades democráticas.

O lançamento acontece nesta tarde do dia 19 de fevereiro, na Sede da APEOSP, Sindicato dos Professores do Estado de São Paulo, reunindo representantes de centrais sindicais, movimentos sociais, militantes em defesa das liberdades e direitos cujos ataques se aprofundaram com a chegada da extrema direita ao poder, tanto no Planalto quanto nos parlamentos.

A participação da Apruma cumpre deliberação do 38º Congresso Nacional do Andes (veja Carta de Belém AQUI), que apontou “a necessidade de construção da ampla unidade entre diversas entidades da classe trabalhadora em luta contra as medidas que intensificam a retirada de direitos“.

O Fórum

O Fórum Sindical, Popular e de Juventudes por direitos e liberdades democráticas também aponta a “busca da construção da mais ampla unidade”, com ações unitárias, na defesa dos direitos da população e contra a “propagação do ódio, a perseguição política e ideológica, a criminalização dos que lutam e o uso da força como resposta à crise social”.

Sua construção é um marco, ainda porque também aponta que a “classe trabalhadora não está passiva”, ressaltando a resistência empreendida por diversos segmentos, como mulheres, indígenas, quilombolas, população negra das periferias e demais trabalhadores. Também coloca uma pauta clara, baseada nos seguintes eixos:

– Defesa dos direitos trabalhistas e contra o fim do Ministério do Trabalho
– Defesa da Previdência Pública e universal. Contra a Reforma da Previdência!
– Defesa da Educação e da Saúde Públicas, gratuitas e de qualidade
– Defesa da política de igualdade racial, de gênero e respeito às diversidades sexuais
– Defesa das Liberdades Democráticas
– Defesa de Reforma Urbana e Agrária
– Contra a criminalização dos movimentos sociais
– Pela revogação da EC/95
– Em defesa do emprego, salário e moradia
– Em defesa do setor público estatal e contra as privatizações
– Pela Liberdade de ensinar e de aprender, em defesa da autonomia das instituições de
ensino públicas.

Assembleia Nacional da Classe Trabalhadora

Além do lançamento do Fórum, no dia seguinte, 20/02, acontece, também em São Paulo, a Assembleia Nacional da Classe Trabalhadora, convocada pelas centrais sindicais do país, para tratar de modo mais específico da resistência à reforma da Previdência, anunciada para chegar ao Congresso Nacional na mesma data. A Apruma também se fará representar na Assembleia.

A assembleia será realizada na Praça da Sé, a partir das 10 horas. Ela deve acontecer como um grande ato indicativo da luta contra a reforma da Previdência, já que essa data também marca o Dia Nacional de Luta em defesa da Previdência Pública e contra o fim da Aposentadoria.

Além do ato na capital paulista, serão realizadas atividades nos estados, configurando a primeira grande mobilização unificada em 2019 contra os ataques do governo Bolsonaro. Em São Luís, a atividade acontecerá às 16h, na Praça Deodoro, centro da capital maranhense. A Apruma convoca toda sua base a se engajar ativamente da atividade neste momento delicado para os trabalhadores.

Reunião da Coordenação da CSP Conlutas

Ainda cumprindo o calendário em São Paulo, a presidente da Apruma participa, de sexta-feira, 22, até domingo, 24, da reunião da Coordenação da CSP-Conlutas, central a que é filiada a Seção Sindical (bem como o Sindicato Nacional).

Entre os itens da pauta de deliberações, questões indígenas, quilombolas, imigrantes, camponeses, setores que vêm recebendo duros ataques da extrema direita no poder, bem como os atingidos pelo crime ambiental em Brumadinho/MG, a construção das mobilizações do 8 de março, e claro, a luta contra a reforma da Previdência.

Os indicativos saídos do encontro serão apresentados à base para deliberação, consoantes com a construção de ampla unidade com os mais diversos setores na defesa dos direitos e garantias democráticas dos trabalhadores.