Apruma – Nota: MOÇÃO DE SOLIDARIEDADE AOS ATIVISTAS DO MOVIMENTO QUILOMBO URBANO

A APRUMA – Seção Sindical do ANDES-SN – vem, por meio desta Nota, manifestar-se contra a arbitrariedade e violência replicada pelo Estado contra militantes do movimento Quilombo Urbano, que em 6 de novembro de 2017 participavam de protesto reivindicatório por saneamento básico e drenagem para os bairros da Liberdade, Coroado e Redenção. De maneira absolutamente desproporcional, as/os ativistas Preta Lu, Marília Durans, Diomar e Preto Roob, foram presos de maneira truculenta e agora estão sendo processados pelo Estado do Maranhão.

É importante salientar que a violência sistêmica produzida pelo capitalismo é oculta, pois mascara-se na normalidade do funcionamento regular das instituições e do sistema econômico como um todo. Com o aprofundamento das políticas de neoliberalização combinadas com o desmonte do estado social, que produziram o encurtamento do espaço público e, portanto, da própria democracia, opera-se uma outra dimensão da violência – simbólica -, que impõe um certo universo de sentido, que desloca os sentidos da verdadeira violência causada pelo capitalismo e pelo Estado para as reações sociais daqueles que reagem e que insistem em lutar. Assim, a violência sistêmica é ocultada pela manipulação dos sentidos pela violência simbólica, que criminaliza a reação da violência subjetiva dos pobres e oprimidos que lutam por uma vida digna e para que seus direitos sociais sejam garantidos.

Somos veemente contrários a qualquer forma de criminalização dos lutadores e lutadoras e à própria judicialização da política e dos conflitos sociais. É inadmissível que o poder judiciário, em vez de exigir que o Estado do Maranhão cumpra com suas prerrogativas constitucionais, penalize ainda mais a pobreza, criminalizando àqueles que lutam. Em tempos de Golpe e fascistização social, não podemos ser neutros. Por isso, daremos amplo e irrestrito apoio aos ativistas do Quilombo Urbano e denunciaremos as arbitrariedades cometidas neste caso pela Polícia Militar e pelo Poder Judiciário.

 

São Luís, 21 de março de 2018.

Diretoria da APRUMA – Seção Sindical do ANDES-SN