Em defesa da Previdência: Todos e todas à Greve Geral desta terça-feira, dia 5!

Reunião das centrais sindicais e movimentos populares na última sexta-feira, dia 1º, em São Luís, reafirma disposição para a construção da greve geral: confira locais de concentração nesta terça-feira, dia 5.

Na sexta-feira, algumas centrais haviam “declarado” suspensa a greve geral: alegaram que, com o adiamento da votação da reforma da Previdência, a greve estaria suspensa.

A notícia não foi bem recebida pelos trabalhadores e pelos demais movimentos e centrais sindicais não consultadas para essa finalidade, como foi o caso da CSP Conlutas, que publicou nota contrária à suspensão: vários movimentos e sindicatos já vêm se articulando para demonstrar força nesse momento que o governo não consegue votos para aprovar mais esse ataque aos trabalhadores dos setores público e privado. Com a má repercussão, os que assinaram a nota contrária ao movimento voltaram atrás, chamando à realização de atos neste dia. De qualquer forma, a greve foi mantida, além de vir contando com a adesão de várias categorias.

Atividades da greve geral

 Em Imperatriz, haverá concentração a partir das 8h na Praça Brasil para ato unificado de diversas categorias. 

Em Chapadinha, também às 8h, na Praça do Povo.

Já na capital, serão dois pontos de concentração: na Barragem do Bacanga, próximo ao Campus do Bacanga (UFMA) e na BR 135, na altura do IFMA Campus Maracanã. As concentrações ocorrerão a partir das 5h da manhã.

 

A greve geral

  A greve será realizada nesta terça-feira, envolvendo várias categorias de trabalhadores e movimentos populares e estudantis. Tem como objetivo barrar a reforma da Previdência e anular as reformas já aprovadas que retiram direitos dos trabalhadores. Para os servidores públicos, há também a reivindicação pela anulação da MP 805/2017, que diminui os salários (congela acordos de reajuste já firmados e aumenta a contribuição previdenciária. Podem participar trabalhadores com carteira assinada, desempregados, estudantes e todos os que se sentirem atingidos pelas reformas do governo que atacam direitos sociais.

Pauta Geral da greve desta terça-feira

 Os trabalhadores reivindicam a retirada definitiva da reforma da Previdência da pauta do Congresso Nacional, apontando que o déficit anunciado na verdade é sonegação dos patrões e descumprimento da Constituição pelo Estado: ela obriga repasses do Tesouro Nacional e de diversos tributos para a Seguridade Social que envolve, além das aposentadorias, o Sistema de Saúde e o atendimento à população vulnerável.  Também entre as reivindicações, a anulação da Reforma Trabalhista, em razão de sua inconstitucionalidade: a matéria aprovada permite que trabalhadores recebam menos que o salário mínimo legal e vigente no país, além de outros ataques aos trabalhadores. Nesse sentido, exigem também o fim da lei de terceirizações, que precariza em grande escala (fragiliza) os empregos ofertados à população. 

Com a greve geral desta terça, pretende-se barrar o andamento da reforma, tal como já foi feito em abril, quando a primeira greve geral no país em décadas contribuiu para atrasar o calendário da reforma previdenciária, que vinha sendo dada pelo governo como concluída até o fim do ano – não fossem as mobilizações dos trabalhadores, que seguirão, até atingirem seus objetivos – anunciam representantes de sindicatos, centrais sindicais e movimentos sociais.